Fiquei OFF real por 3 dias!

Juro por Deus que eu me vi naquela fake news do Sensacionalista “Fulana fica em internet e descobre que mora com duas pessoas e eles são seus pais.”  [choraderir]  Seria cômico se não fosse trágico!

Eu passo o meu dia inteiro, 24 horas, conectada. Eu trabalho com internet duplamente: aqui no blog e lá na agência. É quase que inevitável ficar desconectada. Eu resolvo tudo por telefone e pelo computador. Aliás, faço tanto serviços bancários pelo telefone que eu praticamente me senti um ET outro dia quando fui sacar dinheiro no caixa eletrônico. Gente! Me ajuda! Eu só uso cartão!

Mas, bem longe da aberração que foi a cena da minha pessoa sacando dinheiro e descobrindo que existia outra milhões de funções no caixa eletrônico, foi o fato de eu viajar com a minha família nesta Páscoa… Ok, viajar com a família, ainda mais numa data desta é super normal, certo? ERRADO quando o lugar não possuí sinal de NENHUMA operadora!

Deus do céu! Quando estava chegando no destino, percebi que meu sinal ia diminuindo e que do 4G fui em para o Edge em minutos e da li para o NO SERVICE em um piscar de olhos.

No primeiro momento, pensei: “Ah, tranquilo! Tô sem sinal!”
No mesmo dia, quando fui dormir: “Meu Deus, alguém tem sinal? Eu tô sem falar com ninguém!”
No dia seguinte de manhã: “Gente, o que tá acontecendo? Eu não tenho o que fazer!”

Detalhe: Eu estava em uma chácara com piscina, campo de futebol, espaço pra vôlei, uma lago enorme que poderia pescar e nadar, salão de jogos com sinuca, muuuuita comida típica de sexta-feira santa + domingo de Páscoa… QUAL ERA MEU PROBLEMA? Eu acha que se não postasse no Stories que estava me divertindo, a pessoas não iria saber o quão “FUN” a minha vida é. OI? E quem disse que eu preciso mostrar pra outras pessoas que minha vida é ou não legal?

Eu parti pro descontrole e comecei a reclamar da falta de sinal e, me aproveitei da falta de algumas coisas de supermercado para convencer meu tio a ir até a cidade (o que ficava 10km dalí) para eu poder usar o sinal do meu celular. SOCORRO! QUE VÍCIO!

Adivinha? Descobri que nada de mais aconteceu nessas 24horas sem sinal. NADA! Estava tudo bem! Todo mundo tinha visto meu último Stories na qual falei que estava viajando.

Meio que meu desespero foi acalmando e quando voltei para a chácara, sem o sinal, eu comecei a prestar a atenção nas conversas da minha família.

Você pode até estar pensando: “Nossa, você é muito exagerada! Ficar sem celular é super de boa!” – Não, não é super de boa quando ele se torna um vício e todas as suas relações interpessoais estão resumidas a serem digitadas com dois dedos numa tela touch com sinal 4G.

Imagine para uma pessoa que sofre de ansiedade ficar sem fazer algo que, aparentemente, dá um prazer absurdo para ela. Estar sendo contrariada num momento de desespero é quase que pedir para surtar. E olha que as crises de ansiedade te fazem falar coisas e agir de uma forma que “você não é você”.

Esse post foi um relato do vício. Quando você é uma pessoa assumidamente dependente do celular/internet e tudo o que você faz te leva a usar esse tipo de recurso, ficar sem ele é quase que o fim do mundo.

OU MELHOR: Está bem longe do fim do mundo! Você começa a entender que não precisa dar satisfação da sua vida pros outros, que os momentos vividos valem muito mais do que ficar provando as outras pessoas que você “falsamente viveu ele”.

Eu tenho fotos dessa Páscoa com a família e sem sinal nenhum… E essas fotos estão guardadas comigo… E adivinha? Pra mim tem muito significado e eu nem precisei postá-las no meu Instagram!

Como diria o Bial nos BBB’s que ele apresentava: “Vem viver o mundo aqui fora!”

Essa foi a única foto que eu postei quando fui até a cidade próxima da chácara numa tentativa de usar meu sinal.
Fala sério, eu poderia ter esperado voltar para SP para postá-la. Tudo aconteceria numa boa!

Você também pode gostar de

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.