Mil e uma utilidades

Ei vida, pega leva comigo que eu não sou Bombril!

mil_e_uma_utilidades

Ser uma pessoa solícita te torna útil. Muito útil por sinal! Porém, se comprometer com tudo e com todos pode não dar muito certo.

Já viu aqueles filmes onde a personagem se torna gananciosa e de uma hora para outra ela assume todas as responsabilidades e acaba, no final, entrando numa estafa tão grande que não dá conta de mais nada e tudo meio que voa pelos ares? É exatamente disso que eu tô falando. Mas, ao invés de atividades, o que voa pelos ares são as emoções e os relacionamentos.

Nós percebemos que viramos adultos quando saímos da faculdade, aquela na qual tomou quatro anos consecutivos da sua vida e te impediu de fazer alguns compromissos por saber que estava comprometida com os estudos. É nessa primeira fase pós-faculdade que você sente o gostinho de liberdade e tenta organizar sua vida pessoal em um ano sabendo que tem coisas de quatro anós atrás acumulada.

Tudo o que você deixou de fazer durante esses anos, você tenta, numa forma sobrenatural, por em ordem. Coisas do tipo: Fazer um check-up no médico, ir ao dentista, comparecer aos eventos familiares, resolver documentação vencida, arrumar seu quarto que está até o topo de papeis da faculdade, se organizar no trabalho, etc, etc ,etc.
Sério, são coisas que parecem ser tão simples mas, que sabemos que para resolve-las pode levar semanas.

Tá, até aqui você já entendeu que sua listinha de tarefas já ocupou os 365 dias do ano. Pois bem, o “problema” começa agora… Você tem amigos! Sim, amigos! Aquelas pessoas que você conversa via Whatsapp, marca nos memes do Facebook e sempre que quer ter um ombro para chorar ou um momento para rir, estarão ali.
Não estou dizendo que amigos são um problema, pelo contrário, não me interprete mal! Amigos são a melhor coisa da sua vida PORÉM, cada um se tornou adulto de uma maneira, ou seja, cada serumaninho tem uma rotina de vida e determina graus de importância para seus compromissos.

Vamos lá, vou dar um exemplo real: Eu, Bruna, tenho diversos amigos. Só que, com 21 anos eu tenho uma cabeça de 30 e tô sempre pensando no meu futuro financeiro, na minha independência e tento casar do melhor jeito o profissional com o pessoal. Os quatro anos da faculdade me impediram, sim, de fazer diversas coisas pois sempre trabalhei de dia e estudei a noite. Deixei de ir em aniversários da família, de compromissos com meu namorado, de fazer cursos que eu tanto queria e, principalmente, viajar e descansar! Eu trabalho há cinco anos direto, sem férias. Será que estou cansada?

Outro dia postei no meu Snapchat que: Eu não sou uma pessoa relapsa e nem muito menos sem coração! Eu não poder comparecer em alguns compromissos é porque dei preferência há outros na qual envolve família (família para mim é algo sagrado e eu coloca sempre na frente). Cheguei a sair para jantar com a minha melhor amiga durante a semana pois deixei de ir em um churrasco da família dela que sempre me acolheu muito bem pois naquele dia precisava ficar com a MINHA. Durante esse jantar, expliquei para ela o quanto eu estava correndo para organizar minha vida pós-faculdade e que nesse primeiro ano eu estava dando preferência aos parentes e que isso NÃO significa que deixei os amigos de lado. Pedi a ela que compreendesse minha situação e, melhor do que eu esperava, ela olhou nos meus olhos e disse: “Amiga, você é adulta! Tem uma vida para cuidar! Quando precisei de verdade você largou tudo e veio me ajudar, por isso sei que os pequenos compromissos que você se ausenta não é por maldade e sim por uma consequência.”

Resumindo: Precisamos de pessoas que entendam que cada um leva um estilo de vida. Somos adultos, temos responsabilidades e não podemos nos comprometer com 100% das coisas e no final não dar conta de nenhuma e sair com fama de relapsa e mal agradecida.

Eu AMO estar com meus amigos. AMO meus amigos. Por isso agradeço todos os dias por estar ao lado de pessoas que entendem que essa fase cheia de compromissos irá passar e que daqui um tempo estarei disponível para qualquer atividade. “Mim chama que eu vô!” como diria Inês Brasil.

É isso, espero que tenha gostado. Não esqueça de comentar!
Beijos,

Continuar a leitura

Você já se cobrou hoje?

Se não se cobrou: NEM SE COBRE!

cobrança_pessoal

Oi, como você está hoje? Você tá bem? Por acaso você se cobrou hoje? Ei, não precisa se cobrar por tantas coisas… Vai com calma, miga!

Sabe, eu não sou o melhor exemplo de pessoa pois me cobro a cada segundo nessa vida porém, sei exatamente as consequências que isso pode trazer e vivo todos os dias brincando com o limite. Isso é péssimo!
Brincar com o limite é praticamente se levar ao extremo da cobrança, ter crises existenciais e achar que nada nessa vida dará certo porque quando você se compara com aquela pessoa, dois anos mais velha que você e que já tem cinco formações acadêmicas, um salários de milhões de dígitos, viaja, tem um trabalho extremamente corrido e ainda tem tempo para ser magra, linda e apaixonada.

Nossa, quantas mil vezes eu não chorei de soluçar, ficar com a cara inchada e querer sumir do Mundo por achar que tudo o que eu fiz foi em vão!

Até que alguém que me vê nessa situação, me pega pelo braço e fala: “Ei! Para de se cobrar! Você já viu tudo o que você conquistou até aqui?” 

Eu não sei dizer se é algo que a minha geração desenvolveu ou se isso é pessoal meu mas, é muito complicado conviver com a pressão de toda uma sociedade que enaltece casos de sucesso isolados e querem te minimizar por não ter alcançado o mesmo que os outros. Até porque, cada pessoa tem uma habilidade e cada uma conquista aquilo que está ao eu alcance.

Para muitos eu posso ser só a menina que tem um blog cor de rosa mas, para mim, eu sou a mulher que concorreu a prêmios, se formou com 21 anos, já passou por quatro empregos, fez inúmeros cursos e tem uma bagagem enorme de vida para por em prática e, mais do que tudo isso, carrega dentro de si um super vontade de aprender cada vez mais!

Se cobrar se comparando a pessoas que possuem perfil diferente do seu, que vive um mundo mais diferente ainda da sua realidade é o ato mais insano que eu já vi. Não dá pra querer competir!

E nesse momento de crise existencial lembre-se que você não é a única. Pare e olhe para tudo o que você já fez e transforme cada conquista em um mega vitória!

Espero que tenha gostado. Não esqueça de comentar!
Beijos,

Continuar a leitura

Sobre gratidão e conquistas

Você já agradeceu a alguma coisa hoje?

texto_sobre_gratidao

Parece meio bobo mas, agradecer a tudo o que você tem, recebe e é beneficiado é tão importante quanto qualquer outra coisa. A gratidão é algo que pode atrair coisas para a sua vida. Gratidão vai além de um simples “obrigado”. Gratidão é um sentimento!

Quando digo que estar grata pode atrair coisas para sua vida me refiro a Lei da Atração. Esse é um assunto bem longo e daria um super-textão aqui no blog, por isso estou pensando seriamente em fazer um vídeo falando de como isso realmente funciona. O que acha?

Sabe aquele momento em que alguém te ajuda com alguma coisa do dia a dia, no trabalho por exemplo, e você agradece a pessoa claramente? Digo claramente porque existem pessoas que “agradecem” mentalmente… Poxa, o que custa você dizer OBRIGADO para a pessoa? Ser grato é isso! É agradecer a tudo e a todos. Lembre-se: O seu simples obrigado pode tornar o dia de outra pessoa muito melhor.

Quando somos agradecidos por um bom ato ou por uma ajuda, seja física ou racional, automaticamente nos sentimos seres úteis, mais espertos, mais poderosos. Vai dizer que quando alguém te falou: “Poxa, fulano, você me quebrou um galho fazendo isso. Valeu mesmo!” você não se sentiu especial… Se sentiu sim, não é?

Eu nunca tinha me tocado de que agradecer era fundamental. Não, eu não era uma pessoa mal educado, eu sempre falava obrigado porém, era um obrigado da boca para fora, sem por emoção e pensamentos positivos naquilo. Até que um dia eu fiz um favor muito grande, enorme, para uma pessoa próxima. Fiz muito além do que ela me pediu… Não foi um simples favor de um dia. Foi um favor que durou meses e aquilo poderia mudar algo na vida dela.
Sabe o que aconteceu? ELA NUNCA ME AGRADECEU! Já se passou ANOS e ela até hoje não me agradeceu. Juro, me senti uma pessoa inútil e fiquei pensando: “Será que eu fiz algo errado? Será que ela não gostou do que eu fiz?”.

O que me fez reverter esse sentimento foi mentalizar todo o processo do favor. Lembrar do duro que eu dei para ajudá-la e o quanto eu fui prestativa mesmo não tendo retorno dela.

A partir desse dia eu prometi para mim mesma que deveria agradecer a todo mundo por qualquer coisa pois sei que o universo me devolveria esse sentimento bom com mais coisas boas. (Isso envolve a Lei da Atração que disse lá no começo)

Passei a agradecer e demonstrar o quanto eu estava grata pela ajuda que recebi. Tenho um hábito, desde criança, de querer presentear as pessoas. Uni isso a minha gratidão e comecei a dar mimos que estavam ao meu alcance, por exemplo: Na agência onde trabalho existem pessoas super talentosas e que SEMPRE me ajudam com o blog. Elas doam um pouco do seu tempo e da sua mão de obra para fazer coisas para mim que, se eu fosse pagar com dinheiro não haveria a possibilidade. Por isso, sempre levo coisas de comer, compro um agrado, faço algo em troca para ela. Isso é uma forma de ser grata e demonstrar!

O que você faz para ser grata?

Espero que tenha gostado. Não esqueça de comentar!
Beijos,

Continuar a leitura

Filmes, negócios e vida pessoal.

Sabe quando sua amiga posta algo que você está exatamente pensando naquele segundo?
Pois é, a Flávia (ela já apareceu em outros posts aqui do blog) postou o conteúdo abaixo em Fevereiro e eu, desde então, fiquei pensando, pensando, pensando…

filmes

Sou o tipo de mulher que, desde criança/adolescente assistia filmes em que a protagonista era também uma mulher porém, bem sucedida, com uma vida extremamente corrida e badalada. Assim, descrita como a própria Flávia disse acima.

Eu era vidrada em filmes em que a história mostrava essa atmosfera “business woman” e tudo mais. Os filmes me influenciaram. E muito!

Quando comecei a trabalhar fora, fazia de tudo para que meus dias fossem de agenda cheia. Mil coisas a fazer, compromissos, cursos, reuniões e claro, sempre correndo. Correndo loucamente e com o celular na mão, querendo resolver e-mails e outros problemas através dele.

Resultado: Eu corri em vão. Na verdade, eu corri sem direção!

Além de, assim como a Flávia, descobrir que ter essa vida insana de correria não valia um segundo a pena, eu cheguei antecipadamente ao status de “decepcionada”.

Por que? Porque eu via nesses filmes (e até na própria vida real) pessoas extremamente jovens, com no máximo 25 anos, e com um império conquistado. Ou seja, botei na minha cabeça que, antes dos 25 eu deveria ser uma pessoa reconhecida por um grande feito, ~ser alguém~ na vida…

Mas espera aí! Quem eu quero ser se nem eu sei quem eu sou? – Foi aí que eu acordei e liguei os pontos.

Querer ser alguém e “inventar” ter uma vida corrida, não me levava a nada! Eu precisava, primeiro, reconhecer e conhecer quem eu realmente sou, quais são minhas qualidades, experiências e qual é o meu objetivo.
Aí sim, a partir daí, ajustar a minha vida a isso e caminhar para conquistar algo.

Hoje, sinto que estou com a cabeça no lugar e correndo loucamente na direção certa, pois tracei um objetivo e estou mirando nele.

E sabe o que eu percebi? Que até nos filmes que eu assistia, a personagem também passava por uma fase de “choque de realidade” em que percebia que, aquela correria toda, sem direção, era desnecessária. Coisas passavam pela sua vida pessoal e ela nem percebia. Preservar momentos de alegria, carinho e conversa com pessoas que fazem parte do seu circulo familiar e de amizades é algo muito importante.

Ser girl power, girl boss, business woman e derivados do mesmo é o meu objetivo! Mas, jamais esquecer que por trás dessa pessoa poderosa bate um coração cheio de sentimentos.  [heart]  [pinkheart]  [heart]

girl_boss

Espero que tenha gostado. Não esqueça de comentar!
Beijos,

Continuar a leitura

Vivemos pelo aplauso

Quem é a sua plateia?

vivemos-pelo-aplauso

Já parou para pensar quantas coisas você faz apenas esperando a reação das pessoas? Muitas vezes não nos damos conta do quanto a famosa frase “as aparências enganam” realmente faz sentido.
Nesse mundo louco onde o rostinho feliz, o corpo sarado e a ostentação nas redes sociais são INFLUENCIADORES de opinião somos obrigado a viver por aparência. E ela pode enganar a nós mesmos.

Você já viu alguém postar no Instagram a foto de algo comum do dia a dia e falar: “Meu dia foi um lixo. Tudo deu errado, eu fui demitido, meu relatório voltou para refação, eu não vendi o que precisava e perdi minha carteira.” Já viu? Não!
As pessoas tem um forte hábito de postar somente aquilo que é lindo. Até porque, se quisermos ver desgraça basta ligar a TV, não é mesmo? Pois bem, o exagero do “tudo lindo” faz com que muita gente viva uma vida de aparência, esperando o aplauso dos seguidores (que cá entre nós, muitas vezes são apenas números).

Você já espero o aplauso de uma plateia chamada VOCÊ MESMO? Não? Poxa, então tá esperando o que?

Você deveria ser a sua própria audiência! Fazer as coisas para a sua felicidade. Quer uma comparação? Vamos lá:

~Local de Trabalho~
Você posta uma selfie linda, maravilhosa, caprichada nos filtros do Insta. Tudo isso usando o crachá da empresa e de fundo o escritório todinho e a legenda é: Work hard.
Na foto você está perfeita. A foto é linda e carregada de likes!
– Na verdade você está odiando o seu trabalho. Não aguenta mais aquela rotina, mas para as redes sociais você tem o trabalho mais invejável do mundo.

~Local de Trabalho~
Você posta uma foto da sua mesa, mostrando a sua bagunça, a tela com umas planilhas e até aquele chocolatinho que sacaneou a sua dieta alí no cantinho.
A foto é uma coisa qualquer. Tem no máximo 20 likes!
– Na verdade você foi super elogia pelo seu chefe, está prestes a receber uma promoção e se sente plena com tudo que tem feito pela sua carreira.

Conseguiu entender a diferença?

Não é porque é bonito que é bem sucedido!

Eu sou o tipo de pessoa que mais busca entretenimento nas redes sociais, mas ico um pouco incomodada com tamanha perfeição. Chego até a pensar: “Nossa, fulana é tão feliz. Olha só essa foto! Será que o que eu faço é uma b*sta?” – Sério. Se eu penso assim, imagina quantas outras pessoas também não pensam?

Por isso digo: Seja sua própria plateia! Bata palma e vibre com suas vitórias. Aliás, elas são mérito seu! Não se preocupe se as pessoas estão sabendo disso ou não… Viva a sua vida!

Espero que tenha gostado. Não esqueça de comentar!
Beijos,

Continuar a leitura